Inscrições prorrogadas para o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, do IPHAN

Uma das premiações mais importantes na área de Patrimônio Cultural prorrogou o prazo de inscrições até o dia 12 de junho: é a 33ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Todos os brasileiros que atuam na gestão, preservação, valorização e promoção do Patrimônio Cultural podem participar. São 12 categorias, e em cada uma será contemplado um vencedor com o prêmio de R$ 20 mil. Há ainda a possibilidade de menção honrosa a cinco trabalhos que não sejam contemplados pelo prêmio mas demonstrem caráter excepcional, merecendo reconhecimento.

Somente participam ações com resultados, não valendo projetos. O resultado final sairá no dia 9 de setembro. O resultado final sairá no dia 9 de setembro. Este ano haverá uma homenagem especial ao Modernismo (representando na foto acima pelo Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro).

Inicialmente foram aceitas inscrições online e físicas (até 15/05) para casos onde não havia possibilidade de envio da proposta pelo formulário via internet. O prazo foi prorrogado mas apenas para as inscrições online.

A primeira edição do Prêmio Rodrigo, como também é chamado, foi em 1987 e, desde que passou a contemplar ações externas ao Iphan, em 1994, já houve 175 vencedores em todo o país, sendo 15 deles no Rio de Janeiro.

– Não é à toa que a premiação tem este nome. Rodrigo Melo Franco de Andrade foi o primeiro presidente do Iphan e até a divisão de categorias material e imaterial do prêmio se deve à capacidade dele de atingir a maior gama da sociedade, incluindo os que não têm acesso ao conhecimento. A iniciativa aplaude e fomenta as iniciativas, populariza o conhecimento e o acesso ao patrimônio cultural -, homenageia Manoel Vieira, superintendente do instituto no Rio.

Três etapas de classificação
É preciso acessar o formulário de inscrição, disponível no site do Iphan (veja o passo a passo no final) para participar. A classificação dos trabalhos passará por três etapas este ano: 1) habilitação pela comissão nacional; 2)  avaliação pela comissão estadual; 3) avaliação final pela comissão nacional. Nos anos anteriores, eram pré-selecionadas pelas Comissões Estaduais, com representantes das diferentes áreas culturais de cada estado. Os vencedores na etapa estadual eram analisadas pela Comissão Nacional de Avaliação.

– Para participar, os candidatos devem estar de acordo com as legislações ambiental, trabalhista, de biodiversidade e sobre povos indígenas e tribais – , ressalta Martina Guenther, ponto focal do prêmio no Rio.

A premiação é dividida em duas grandes categorias. Uma delas são as iniciativas no campo material: paisagens culturais, cidades históricas, sítios arqueológicos, edificações e monumentos; e ainda as coleções arqueológicas, acervos museológicos, documentais, bibliográficos, arquivísticos, videográficos, fotográficos e cinematográficos, assim como ações relacionadas de comunicação, difusão e educação.

A outra categoria são Iniciativas do Patrimônio Cultural Imaterial: ações nas áreas de salvaguarda de práticas e domínios da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer; celebrações; ritos e festas que marcam a vivência coletiva do trabalho, da religiosidade e do entretenimento; formas de expressão cênicas, plásticas, musicais ou lúdicas; e nos lugares que abrigam práticas culturais coletivas. Ainda, coleções e acervos associados a estas manifestações culturais, assim como ações de comunicação, difusão e educação relacionadas.

Nesta edição, novos segmentos foram incluídos. O objetivo é atender a um maior número de ações que já acontecem em todo o território nacional, como administração direta e indireta municipal; universidades; cooperativas, associações formalizadas ou redes e coletivos não formalizados; pessoas físicas ou Micro Empreendedor Individual (MEI), entre outros.

Carioca premiado
Um dos trabalhos vencedores da 32ª edição, do ano passado, foi o Rolé Carioca, considerado como um programa que desperta na população a vontade de percorrer trajetos que contemplam a história e as manifestações culturais da Cidade do Rio de Janeiro, apresentando a memória de lugares que habitualmente passam despercebidos das pessoas, na rotina.

– Os trajetos reúnem, em média, 400 pessoas. Professores de História atuam como guias que conduzem o público em incursões pelo passado, assim como despertam reflexões sobre pontos de interesse que olhos desavisados costumam deixar escapar. Iniciado em 2013, o projeto mapeia rotas com pontos culturais marcantes a fim de promover a conscientização sobre potencialidades e deficiências do aproveitamento da cidade. Em vez de se limitar ao eixo Centro-Zona Sul, os percursos extrapolam os destinos óbvios e alcançam localidades como Bangu, Santa Cruz e Marechal Hermes- , explica Leandro Salgueirinho, que também é ponto focal do prêmio no Rio.

Em seis anos de atividades, o empreendimento atraiu cerca de 15 mil pessoas, desenvolveu 40 roteiros e mapeou 250 pontos de interesse. Além disso, desde 2015 realiza-se o Rolezinho Carioca, que organiza trajetos para crianças de escolas públicas em parceria com a Prefeitura do Rio.

Homenagem ao Modernismo e a contribuição da arquitetura
Este ano, será feita uma homenagem ao Patrimônio Cultural Moderno. A construção do campo do Patrimônio Cultural no Brasil está relacionada aos modernistas e ao movimento da Semana de Arte Moderna, de 1922, razão pela qual a criação do Iphan, em 1937, trouxe contribuições do ponto de vista conceitual e de valores patrimoniais que ainda não eram trabalhados internacionalmente. 

Igrejinha de São Francisco de Assis, na Pampulha, em Belo Horizonte (MG)

A arquitetura e o urbanismo brasileiros tiveram uma contribuição importante ao Movimento Moderno. Muitos são os casos que marcam essa história, como a construção do prédio do Ministério da Educação e Saúde – Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro (RJ); as obras dos arquitetos Lucio Costa e Oscar Niemeyer; os trabalhos do paisagista Roberto Burle Marx e do artista plástico Athos Bulcão; a escola paulista com as construções de Warchavchik e de Vila Nova Artigas, Reidy e os Irmãos Roberto, no Rio de Janeiro.

Outros dois exemplos da importância brasileira no Movimento Moderno são o Conjunto Urbano de Brasília (DF) e o Conjunto Moderno da Pampulha, em Belo Horizonte (MG). Ambos são reconhecidos como Patrimônio Mundial pela Unesco, sendo que a capital brasileira foi a primeira cidade do mundo a ser tombada como Patrimônio Cultural Moderno.

Para fazer a inscrição, siga o passo a passo:
– Acesse no site www.iphan.gov.br/premiorodrigo
– Clique no botão ‘inscrição online’
– Clique no botão ‘entrar com gov.br’

– Esta é conta de acesso única do governo federal. Se já tiver cadastro, faça o login com seu CPF e senha.
– Caso ainda não tenha o cadastro, será preciso se cadastrar, clicando no botão ‘crie uma conta’, logo abaixo à esquerda.
– Preencha o CPF, nome completo, telefone celular com DDD, e email.
– Serão feitas perguntas-teste, como o nome da sua mãe, cidade natal ou empresa do primeiro emprego. Você escolherá uma das opções.
– Receberá no email ou telefone um link para confirmar o cadastro e deve confirmar logo, pois o link perde a validade. Já estará cadastrado.
– Será direcionado à página do formulário de inscrições.
– Basta seguir as instruções e preencher todos os campos.

Fotos de divulgação do Iphan

Notícias Recentes

Paulo Knauss

Uma constante contemplação e admiração pelo Rio de Janeiro, que se estruturou para ser vivido na rua, onde o sonho de seu povo toma formas

Andrea Queiroz Rego

Carioquíssima, como ela mesmo se define, a arquiteta, urbanista e professora, Andrea Queiroz Rego, diretora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade Federal

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin