Está tudo ali: o Cristo Redentor de braços abertos abençoando a cidade, os Arcos da Lapa e a sua história, a vegetação e a praia que acolhem o carioca. Carnavalesco da Unidos da Tijuca, Paulo Barros leva para a avenida em 2020 um enredo inspirado no título de Capital Mundial da Arquitetura e desfila pelo Sambódromo, idealizado por Niemeyer, tudo o que ama na cidade que adotou como sua. “Eu nasci fluminense e me tornei carioca. Sou um apaixonado pelo Rio. Há pouco tempo pensei em morar nos Estados Unidos mas não sei se consigo me desvencilhar do que…
O Rio que mora no mar sorri para o arquiteto João Uchôa. Adolescente, pegava onda no Arpoador em pranchas feitas por ícones cariocas como o Pepê. Anos mais tarde, já formado em Arquitetura, promovia shows nas praias para conscientizar a população sobre a necessidade de preservação da natureza, muito antes do debate ecológico dos dias atuais. “Cresci pegando onda no Arpoador. A praia é um privilégio do Rio de Janeiro. Quando estamos nela, esquecemos todos os problemas. É um espaço que guarda a magia do carioca”, afirma João, que atualmente frequenta a praia na companhia do filho de 12…
Uma porta art-deco de um edifício dos anos 40 em Copacabana, um pilotis de um prédio, a ornamentação de um casario em ruínas. O Rio de Janeiro é fonte constante de inspiração para Celso Rayol criar projetos para… o Rio de Janeiro. O arquiteto, que se mudou para terras cariocas quando tinha 17 anos, assume que a cidade o conquistou pelo todo: sua natureza, sua diversidade, seus detalhes, seu agito e seus refúgios. “Sou completamente apaixonado. Aqui existe espaço para todos os gostos, para toda a gente. Precisamos homenagear a nossa própria arquitetura”, afirma Celso que elege entre seus…
No dia em que concedeu essa entrevista, Jailson havia acabado de desembarcar de uma viagem de duas semanas pelo Vietnã. Percorrendo a Ásia, ele encontrou algo que o cativa há anos nas favelas do Rio de Janeiro: o prazer e a harmonia no convívio entre as diferenças. Para este doutor em Sociologia nascido na Mangueirinha, em Brás de Pina, está na periferia a resposta, o exemplo para uma cidade onde as relações interpessoais têm mais destaque do que a infraestrutura. “No Vietnã, vi 57 diferentes etnias coabitando sem conflitos. Enquanto não entendermos que esta é a saída, não teremos…